segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

COMO MATAR TUA IGREJA

Fonte: Lista "Reflexões"
Transmissão: Antonio Xisto Arruda
  1. Não a freqüente, mas quando você for lá, procure algo para reclamar. Com certeza você sempre vai encontrar. Fique de olho. Explore isto.
  2. Ao comparecer a qualquer atividade, dedique-se em encontrar falhas nos líderes. Veja se o Padre ou os dirigentes estão fazendo as coisas corretas. Se encontrar falhas fale, espalhe para os outros. Critique de verdade. Agora, quanto às coisas boas que fazem ou dizem, não comente nada, não elogie, fique na sua, em absoluto silêncio.
  3. Nunca aceite missão, compromisso ou incumbência alguma; lembre-se que é mais fácil criticar do que realizar.
  4. Se o Vigário, o Conselho Paroquial, ou qualquer outra liderança pedir sua opinião sobre importante assunto, responda que não tem nada a dizer e depois espalhe como deveriam ser as coisas, em sua "opinião".
  5. Não faça mais que o absolutamente necessário; porém, quando o Padre e seus auxiliares estiverem trabalhando com boa vontade e interesse para que tudo corra bem, afirme que sua Igreja está sendo dirigida e dominada por um grupinho.
  6. Não leia os boletins de sua Igreja; afirme que neles não há nada de interessante e que eles deveriam ser diferentes.
  7. Se você for convidado para qualquer cargo, simplesmente seja esperto(a) e recuse. Alegue que você não tem tempo e depois critique com a seguinte afirmação: "Essa turma quer sempre mandar na Igreja e eu sou uma pessoa" 'democrática'. Sou diferente deles, eu me preocupo com os outros e com a Igreja".
  8. Quando você tiver qualquer problema de relacionamento com o Vigário, ou qualquer líder, procure vingar-se fazendo acusações e divulgando "erros" por eles cometidos. Não será difícil pois esse pessoal está cheio de falhas humanas.
  9. Sugira, insista e cobre a realização de cursos, palestras, encontros, reuniões, mas, quando forem realizados, não se inscreva nem compareça.
  10. Se você receber questionários solicitando sugestões e se o Conselho não "adivinhar" suas idéias e pontos-de-vista, critique e espalhe a todos dizendo que você é ignorado e que não te dão importância.
  11. Após tudo isso, quando tua Igreja não tiver mais reuniões, boletins, encontros, trabalhos de evangelização etc. e etc., estufe seu peito e diga: "Eu não disse que isso ia acontecer?"

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O casamento indissolúvel como escolha livre

Casamento de Maria e José, modelo para os casais de todos os tempos

ROMA, quarta-feira, 25 de janeiro de 2012 (ZENIT.org) - Em 23 de janeiro de 1961, durante o pontificado de João XXIII, a Santa Sé estabeleceu a festa do casamento da Virgem Maria e de São José. É uma oportunidade para todos os casais renovarem seus votos de matrimônio e também para relembrar a importância do casamento cristão, único em seu gênero.
Se pensarmos na situação da sociedade no advento do cristianismo, a posição da Igreja foi nada menos do que inovadora, emancipada e contra-corrente do que dizia respeito ao casamento. A Igreja sustentava que este sacramento devia ser uma escolha livre e, portanto, poderia ocorrer única e exclusivamente com o consentimento de ambos os cônjuges. A liberdade de escolha das mulheres de hoje parece óbvia, mas no passado, especialmente antes do cristianismo, a mulher era considerada inferior ao homem e tratada como escrava e objeto de prazer.
Francesco Agnoli, numa interessante publicação de 2010, Inquérito sobre o cristianismo, examina a história dos cristãos e da Igreja destacando o seu contributo para o desenvolvimento da civilização ocidental. No terceiro capítulo, intitulado Cristianismo e mulheres, Agnoli mostra minuciosamente, através de uma análise um tanto única, que graças à Igreja Católica a mulher está agora livre de muitas restrições e imposições, tais como, precisamente, a de não poder escolher livremente com quem se casar ou não. Na Antiguidade, era o pai quem decidia quem iria desposar sua filha, o que ainda acontece em países não católicos, como, por exemplo, a Índia.
A Igreja, de acordo com os ensinamentos de Cristo, promoveu com ousadia e firmeza uma imagem da mulher diferente do pensamento corrente, segundo a qual o homem e a mulher são diferentes porque são parte um do outro, dois seres vivos com os mesmos direitos. Neste sentido, o historiador Jacques Le Goff nos lembra que, no quarto concílio de Latrão (1215), a Igreja formalizou definitivamente o casamento, declarando que ele "não pode ser realizado sem que haja o acordo pleno dos dois adultos envolvidos". Uma posição de vanguarda para a época. O casamento se torna assim impossível sem o consentimento mútuo, e, para que ele aconteça, a Igreja faz todo o possível, como estabelecer os chamados "proclames", a presença de "testemunhas", o "processo matrimonial" usado pelas autoridades eclesiásticas para verificar ou não a autenticidade do pedido de casamento dos noivos, e, finalmente, o consenso final. Tudo isto continua em uso ainda hoje.
Pode-se, portanto, compreender a importância e a singularidade do matrimônio cristão, não só do ponto de vista religioso, mas também da perspectiva histórica e social. Assim, a celebração do casamento da Virgem Maria e de São José assume um valor fundamental para os cristãos. O caráter virginal atesta a perfeita comunhão de mentes entre os dois esposos santos, apesar da ausência do ato sexual. Com isso, compreende-se que o casamento cristão não é reduzido ao ato físico entre homem e mulher, embora ele seja um dever e um momento belíssimo de comunhão entre o casal, mas que a verdadeira união acontece somente através de Jesus Cristo. Somente com Cristo é possível acolher plenamente o outro, doar-se livremente e, portanto, amar-se.
"Nenhum casal é chamado ao matrimônio exclusivamente para a sua satisfação. Todo casal é um dom para a Igreja e para o mundo, a fim de serem os cônjuges um ícone vivo de Cristo, que ama a sua esposa, a Igreja, e se sacrifica por ela, até o lenho da cruz".
Na Igreja de São Carlos Borromeo, em Londres, está exposto um ícone moderno de rara beleza e particularmente interessante, chamado Notre Dame Alliance, que abrange toda a teologia, o significado e o pensamento da Igreja Católica sobre o mistério esponsal. O ícone mostra dois cônjuges abraçados pela Virgem Maria, com as mãos apoiadas delicadamente sobre seus ombros para simbolizar a Igreja que acolhe em seu próprio seio a noiva e o noivo, tal como uma mãe, acompanhando-os sem forçá-los. No meio, entre os dois, está Cristo, "sempre presente no coração da sua Igreja", segurando a mão dos dois cônjuges como quem acalma seus medos e ansiedades e os fortalece.
No casamento, o casal faz um pacto com Deus para a vida toda, em que a Igreja atua como um intermediário, uma testemunha e uma avalista, que acompanha e dá apoio, como mãe, para a noiva e o noivo em sua nova situação, oferecendo-lhes como presentes a Eucaristia e a Palavra de Deus, sem a qual não se pode viver a vida cristã e menos ainda o casamento. Germano Pattaro, sacerdote veneziano, dizia que "Deus visita o casal no seu matrimônio, não quer faltar a este evento, faz parte da comunhão de amor estabelecida pelo Senhor com todos os cristãos a partir do momento do batismo".
Em essência, este sacramento se baseia, para os cristãos, "na sua própria rocha, que é Jesus Cristo". Se Jesus Cristo está presente como rocha da salvação, então a morte não prevalecerá.
Eis que por isto a festa de casamento da Virgem Maria e de São José, cônjuges e família por excelência, imagem perfeita de Deus, da Santíssima Trindade e da comunhão de amor infinito, convida todos a seguirem o seu exemplo: serem imagem do rosto de Cristo através da vida esponsal.
Fonte: ZENIT.org

sábado, 7 de janeiro de 2012

Encontro anual dos Cônegos Regulares Lateranenses

Nossa Paróquia é atendida pela Ordem dos Cônegos Regulares Lateranenses. Por este motivo, todos os anos em janeiro, nossos padres viajam para o Sul ou Sudeste para se encontrarem e participar da reunião anual.
Neste ano de 2012 o encontro aconteceu no Seminário Nossa Senhora da Divina Providência, localizado no distrito Santa Lúcia do Piaí, Caxias do Sul, RS. 

Primeiro seminário da Ordem dos Cônegos no Brasil e que, todos os padres já passaram por lá, pelo menos um ano, pois o noviciado é feito em tal seminário.

Atualmente reside em tal seminário o Padre Mario Tadeu, ex vigário paroquial de Solânea e, atualmente, mestre de Noviços.
O encontro aconteceu nos dias 03, 04, 05 e 06 de Janeiro.
No dia 04 tiveram assessoria com o tema: Gestão e Espiritualidade e nos demais dias foi partilhado a vida nas comunidades e dado encaminhamento para outras atividades ao longo do ano.