quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Campanha da Fraternidade - Saúde pública - Alimentação

Falar de campanha da fraternidade 2012 é falar de saúde pública nos diversos fatores.
Não é somente criticar o Sistema Único de Saúde e dizer que vai de mal a pior, até porque, o SUS não se resume ao atendimento hospitalar. Vai muito além.
As abordagens da campanha da fraternidade deste ano abrange também educação alimentar, empregos, moradia, esporte, vacinação, prevenção etc.
Hoje queremos abordar sobre alimentação.
Alimentação: cada vez mais temos trocado alimentação sadia por alimentação doentia. Quantas massas, enlatados, engarrafados, frituras, lanches rápidos e sem hora certa.
A família já não se senta mais para almoçar – comida preparada em casa, com carinho e em horas fixas. Cadê as frutas, sucos naturais, fibras, grãos, verduras, legumes e outras agroecológicas? Porque tanta pressa para comer e de qualquer jeito?
Nossas mudanças de hábitos sadios por hábitos doentios geram uma bomba relógio – que mais cedo ou mais tarde é detonada. Quando menos se espera estamos nas filas de hospitais exigindo saúde de qualidade, mas nós mesmos não zelamos por isso no decorrer da vida.
Continuaremos com outras abordagens. Acompanhe.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Pai Nosso e os Mandamentos

Não sei se você já percebeu que na Oração do Pai Nosso que se encontra em Mt 6, 9-14; Jesus praticamente repassa os dez mandamentos da Lei. Coincidência ou não, o fato é que quando Jesus é instado pelos  discípulos para que lhes ensine a rezar, praticamente rezou um por um os dez mandamentos. Era como se dissesse:
        “Quando rezarem, respondam com ‘sim’ aos dez mandamentos.
-Digam a Deus, a quem se deve amar acima de tudo e a quem não se pode nem sequer imaginar, PAI NOSSO, QUE ESTAIS NOS CÉUS.
-Digam a ele, que não quer que se desrespeite seu santo nome com juramentos inúteis, SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME.
-Digam a ele, que exige respeito que se reserve um dia de descanso, especialmente para que haja mais tempo para  a oração, VENHA A NÓS O VOSSO REINO.
-Digam a ele, que exige respeito pela pessoa dos pais como seus representantes na terra, SEJA FEITA VOSSA VONTADE ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU.
-Digam a ele, que exige respeito à vida e ao corpo, ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU.
-Digam a ele, que proíbe o roubo,  ENTÃO, PAI  DAÍ-NOS HOJE O PÃO NOSSO DE CADA DIA.
-Digam a ele, que não admite que se manche a honra do próximo e manda que se respeite o nome dele, PERDOAI-NOS NOSSAS OFENSAS ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS OS NOSSOS DESAFETOS.
-Digam a ele que proíbe até o desejo mau, tanto com relação às pessoas já comprometidas quanto com relação aos bens dos outros, E NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO. MAS LIVRAI-NOS DO MAL”.
         Como vê, o Pai-nosso é uma oração de maturidade. É como se Jesus ensinasse no Pai-nosso que cada um de nós dissesse ao Pai: “ que vossos mandamentos sejam respeitados, Pai. Ensinai-nos a viver de acordo com eles”...  Eis uma oração de abandono e uma prece de quem coloca sua vida inteira nas mãos de Deus, aceitando totalmente o plano dele, sem queixas, sem revolta, sem acomodação também, porque querer o que Deus quer não tem nada de acomodado.

Fonte bibliográfica:
OLIVEIRA, José Fernandes de(Pe. Zezinho)
Porque Deus me chamou...  Ed. Paulinas. S. Paulo, 1986.  (p.73-74)
 Não sei 

Sucessor de Pe. Fábio em Casserengue

Sucessor de Pe. Fábio na Área Pastoral de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
Pe. José Fabiano

Mudanças de Padres


Após reunião com o Conselho Presbiteral, ocorrida durante toda a manhã de ontem (27), o Bispo Diocesano Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena divulgou ainda há pouco, com exclusividade para a Rádio Integração do Brejo, durante o Programa "Aqui Responde", apresentado por Inara Neves, as nomeações e mudanças no clero da Diocese de Guarabira.

Veja abaixo as alterações:
NOMEAÇÕES

  • O Revmo. Pe. José Fabiano de Araújo, ordenado no dia 21.01.2012, nomeado para o ofício de Administrador Paroquial, da Área Pastoral N. Sra. do Perpetuo Socorro, em Casserengue, sucedendo o Pe. Fábio Rodrigo Cherobim, CRL.
  • O Revmo.Pe. Uelvo Geraldo Miguel Fernandes, ordenado no dia 21.01.2012, nomeado para o ofício de Vigário Paroquial, da Paróquia N. Sra. da Boa Viagem, em Alagoa Grande.
  • O Revmo.Pe. Joaderson Martinho de Lira, ordenado no dia 21.01.2012, nomeado para o ofício de Administrador Paroquial, da Área Pastoral São Sebastião, em Pilõezinhos, sucedendo o Pe. Antônio Lins de Oliveira.
  • O Revmo.Pe. José Renato Ferreira de Oliveira, ordenado no dia 21.01.2012, nomeado para o ofício de Vigário Paroquial, da Paróquia N. Sra. do Patrocínio, de Remígio.
  • O Revmo. Pe. José Ednaldo Ribeiro da Rocha, transferido do ofício de Administrador Paroquial, da Paróquia N. Sra. da Conceição, em Alagoinha, para o ofício de Administrador Paroquial, da Paróquia N. Sra. do Patrocínio, em Remígio.
  • O Revmo. Pe. Severino Marques de Farias, transferido do ofício de Administrador Paroquial, da Paróquia N. Sra. do Patrocínio, em Remígio, para o ofício de Administrador Paroquial, da Paróquia N. Sra. da Conceição, em Alagoinha.
  • O Revmo. Pe. Antônio Lins de Oliveira, transferido do ofício de Administrador Paroquial, em Pilõezinhos, para o ofício de Vigário Paroquial, da Paróquia N. Sra. da Boa Viagem, em Alagoa Grande.
  • O Revmo. Pe. Paulino Nunes da Cruz, continuará no Santuário Sagrada Família, do Cruzeiro de Roma e Vigário Paroquial da Área Pastoral N. Sra. do Carmo, de Borborema.
  • O Revmo. Mons. José Nicodemos Rodrigues de Sousa, nomeado para o ofício de Coordenador da Região Pastoral A. Grande, 2012-2013.
  • O Revmo. Pe. João Batista da Silva Firmo, nomeado para o ofício de Coordenador da Região Pastoral Araruna, 2012 e 2013.
  • O Revmo. Pe. João Bosco Francisco do Nascimento, nomeado para o ofício de Coordenador da Região Pastoral Guarabira, 2012 e 2013.
  • O Revmo. Pe. Germano Alves Florêncio, nomeado para o ofício de Coordenador da Região Pastoral Pirpirituba.
  • O Revmo. Pe. José Antônio Justino, nomeado para o ofício de Coordenador da Região Pastoral Areia(Solânea).
  • O Seminarista Edijael Souza Alves, transferido, da Paróquia N. Sra. do Patrocínio, em Remígio, para continuar o estágio pastoral, a partir do dia 01 de março de 2012, na Paróquia de Sant´Ana, em Tacima.

Guarabira, 28 de fevereiro de 2012


Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena
Bispo Diocesano de Guarabira

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

VIA SACRA em Solânea

Santa Mônica - QUARTA E SEXTA- 19h



Matriz, Santo Agostinho, Imaculada Conceição (Ave Maria),  São João Batista (Ruas) e Santuário Pe. Ibiapina - SEXTA-FEIRA - 19h


Sagrada Família (Ruas) - SÁBADO - 19h.




Via- Caminho
Sacra= Sagrado
O exercício da Via Sacra consiste em que os fiéis percorram mentalmente a caminhada de Jesus a carregar a Cruz desde o Pretório de Pilatos até o monte Calvário, meditando simultaneamente à Paixão de Cristo.
O número de estações são quatorze. Cada uma das quais apresenta uma cena da Paixão a ser meditada pelo discípulo de Cristo:
1.   Estação: Jesus é condenado à morte
2.   Estação: Jesus carrega a cruz às costas
3.   Estação: Jesus cai pela primeira vez
4.   Estação: Jesus encontra a sua Mãe
5.   Estação: Simão Cirineu ajuda a Jesus
6.   Estação: A Verônica limpa o rosto de Jesus
7.   Estação: Jesus cai pela segunda vez
8.   Estação: Jesus encontra as mulheres de Jerusalém
9.   Estação: Terceira queda de Jesus
10. Estação: Jesus é despojado de suas vestes
11. Estação: Jesus é pregado na cruz
12. Estação: Jesus morre na cruz
13. Estação: Jesus morto nos braços de sua Mãe
14. Estação: Jesus é enterrado
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Via_Cr%C3%BAcis


A via sacra foi realizada até a manhã da sexta feira da paixão

Mudanças de Padres

Nesta terça-feira (28) o bispo diocesano - D. Lucena - divulgará à o nome das paróquias e áreas pastorais que receberão seus novos pastores.
A expectativa é grande. 
Aguardemos.

Capela conventual

Poucos sabem e conhecem, mas esta capela está no centro de Solânea. Aqui é rezada a liturgia das horas diariamente; tem Adoração ao Santíssimo Sacramento; Santa Missa e até Matrimônios.
Proclamação da Palavra

Benção do Santíssimo
 Sacrário/Tabernáculo
Santíssima Trindade
 Matrimônio
Desta capela sobem a Deus as orações dos padres pelos seus fiéis e pelas necessidades do mundo inteiro. Orações diárias. Tenham a certeza de que alguém reza por você.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Visitas às famílias e missas

Na paróquia Santo Antônio muitas são as cepelinhas de Nossa Senhora da Luz que visitam as famílias.
Cada capelinha fica um dia em cada casa - totalizando trinta visitas no decorrer do mês.
Visita que lembra a visita de Nossa Senhora à casa de sua prima Santa Isabel (Lc 1,39s)
Ao longo deste ano (2012) os padres se esforçarão para visitar cada família que recebe a capelinha e aproveitarão para abençoar as casas. A noite será celebrada a missa em uma das casas visitadas.
O início é dia 29 de fevereiro na comunidade São José. 
O segundo dia de visitas é dia 07 de março na mesma comunidade.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Conversão

No processo de conversão atuam diversos fatores: a) a consciência que quer dar um fim ao que está errado ou ao que desvia do rumo certo; b) a necessidade de se corrigir e reorganizar a vida em vista de um novo sentido e de uma nova prática; c) o pressuposto de que Deus está na origem da vida do ser humano e de que o amor misericordioso de Deus é quem dá sentido à existência humana. Converter-se é voltar o coração para Deus (cf Lc 15). É deixar-se reconciliar por Ele (2Cor 5,20)  Converter-se significa abandonar a antiga situação e abrir-se para a nova  realidade de vida.

Já no Antigo Testamento Vemos o próprio Deus – por intermédio de seus profetas e mensageiros – convidando o povo à conversão (Sl 4,3; Sl 94,8; Is 44,22; Jr 18,11; Os 6,1). A conversão significa retorno ao Senhor, e, consequentemente, a renúncia ao mal, mudando o próprio modo de viver. O Salmo 51/50 oferece uma síntese da conversão e da misericórdia de Deus. A conversão se traduz em inúmeras práticas penitenciais. 
A pregação de Jesus está centralizada no anúncio da conversão (metanóia), da penitência, como única via de ingresso e participação no reino de Deus e como única via de salvação. Não é por acaso que Jesus inicia seu ministério público convidando ao arrependimento: “Convertei-vos porque o reino de Deus chegou” (Mt 4,17; Mc 1,15)A conversão é o movimento que, por um lado, significa abandonar o “velho homem” e, por outro, revestir-se do “novo” (Rm 6,6; Cl 3,9-10). Converter-se é tornar-se novo na opção de vida pela verdade e a autenticidade. Mais do que uma ação isolada, a mudança sugere a imagem “do caminho”. 
CNBB

Confissão dos Pecados - Solânea

Confessai, pois, uns aos outros, vossos pecados e orai uns pelos outros”(Tg 5, 16).
Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; aqueles aos quais retiverdes ser-lhes-ão retidos” (Jo 20, 22-23).
“O que ligares na terra será ligado nos céus, o que desligares na terra será desligado nos céus” (Mt 16, 19).
Quando escrevemos um texto às vezes rasuramos e, para piorar a situação, riscamos as palavras erradas. Assim também acontece na nossa vida, queremos fazer o que é certo, mas fazemos o que é errado (Rm 7, 19).
O Sacramento da reconciliação (confissão) é à volta para Deus para dizer que pecamos (Lc 15, 18. 21) e a reconciliação com Ele. Ele se alegra com o nosso retorno e manda preparar uma festa( Lc 15, 22-23). Grande é a alegria no céu, e dos anjos, por um só pecador que se arrepende (Lc 15, 7. 10).
Quando procuramos um padre para ouvir a nossa confissão nós nos colocamos diante de Deus. Para maioria das pessoas elas têm medo e vergonha de se confessarem, pois o diabo não quer que nos reconciliemos com Deus. É ele que muitas vezes nos encuca – porque tenho que procurar um padre para confessar meus pecados se ele é uma pessoa como eu? Os mestres da Lei diziam “Ele está blasfemando: ninguém pode perdoar pecados, a não ser Deus” (Mc 2, 5-7) e, por conta disso, se fecharam para à graça de Deus, não buscaram o perdão para seus pecados.
Pois bem, pela confissão nós apresentamos a Deus as rasuras do caderno (nossos pecados) e, ele apaga e esquece os nossos pecados: “Sou eu, eu mesmo, que cancelo tuas culpas e jã não me lembrarei de teus pecados” (Is 43,25). Ele nos entrega novamente o caderno sem rasuras para voltarmos a escrever a vida do jeito certo.
É Deus mesmo quem nos exorta - em nome de Cristo, nós vos suplicamos: deixai-vos reconciliar com Deus”(2Cor 5,20). “É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação” (2Cor 6, 2).

EM SOLÂNEA de terça a sexta feira das 8h30 ás 11h (ano inteiro) há pelo menos um padre ao lado da matriz que poderá ouvir a tua confissão e te reconciliar com Deus. Vença o medo e a vergonha!

Mapa Mundi- Parábola moderna


Um executivo de uma grande empresa, com a necessidade de se isolar para terminar alguns relatórios de seus clientes, resolveu se “esconder” no lugar menos provável de ser encontrado: sua própria casa. Voltou pra casa antes das 16h e se trancou no seu escritório caseiro.
                               Estando ele tranqüilo, em casa, celular desligado, sem sinal de fax ou a secretaria indagando se “o senhor pode atender Dr. Fulano?”, percebeu a porta do escritório abrindo, devagarinho. “Oba!” Ecoou o grito de felicidade da sua filhinha de seis anos, por ver o pai (figura tão difícil!) àquela hora em casa. Foi logo perguntando... perguntando... – afinal, seis anos é aquela fase das intermináveis perguntas.
                               O pai, ao mesmo tempo em que precisava continuar fazendo o seu trabalho, não poderia se furtar em aproveitar, também, aquele momento com a sua “pirrota”. Mas, estrategicamente, pensou numa maneira de “livrar-se”dela por algum tempo. Pincelou o olhar pela estante e retirou um livro, era um Atlas geográfico, abriu-o bem na pagina central e deu de cara com um “mapa mundi”.
Destacou-o, pegou uma tesoura, picotou-o em alguns pedaços, embaralhou-o, chamou-a e disse, satisfeito: “Filhinha, o papai tem um desafio para você... Você vai ganhar esta caixa de chocolates (mostrou uma caixa que havia em sua pasta), e assim que voltar com esse quebra-cabeça(o dito mapa) todo consertado, ta certo?
Ela aceitou o desafio do pai, saiu na carreira e ele respirou, aliviado, pois iria ficar um bom tempo sem ela perguntando.
                               Pouco mais de trinta minutos, após, irrompe a elétrica criaturinha na sala onde o pai, ainda às voltas com os seus relatórios: “Painho! Painho! Terminei... agora eu quero a caixa de chocolates, inteirinha!” Ao que ele retrucou, surpreso (contendo a sua decepção, pois ele imaginava que ela demoraria bem mais tempo): “Muito bem, minha filha! E como foi que você conseguiu, tão rápido?” ela mostrou  uma grande folha de papel, tipo papel manteiga, meio transparente, onde estavam os recortes do mapa, colocados no seu estilo e disse: “Foi fácil... Eu vi que do outro lado tinha a figura de um homem, aí eu pensei... se eu consertar o homem, eu conserto o mundo.”        

Autor desconhecido

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Mensagem do Papa pela abertura da Campanha da Fraternidade no Brasil

"A saúde por excelência é a da alma"
CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012(ZENIT.org) – “Suscitar, a partir de uma reflexão sobre a realidade da saúde no Brasil, um maior espírito fraterno e comunitário na atenção dos enfermos e levar a sociedade a garantir a mais pessoas o direito de ter acesso aos meios necessários para uma vida saudável”.
O Papa lembrou que para os cristãos “o lema bíblico é uma lembrança de que a saúde vai muito além de um simples bem-estar corporal”.
E citou o episódio em que Jesus, antes de curar o paralítico, “perdoa-lhes os pecados, ensinando que a cura perfeita é o perdão dos pecados, e a saúde por excelência é a da alma, pois que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua alma?» (Mi 16,26)
A mensagem fala da participação no mistério do sofrimento de Cristo para a salvação do mundo. Pois, «oferecendo o nosso sofrimento a Deus por meio de Cristo, nós podemos colaborar na vitória do bem sobre o mal, porque Deus toma fecunda a nossa oferta, o nosso ato de amor» (Bento XVI, Discurso aos enfermos de Turim, 2/V/2010).
Bento XVI terminou a mensagem evocando a “intercessão de Nossa Senhora Aparecida — para todos, mas de modo especial para os doentes, o conforto e a fortaleza de Deus no cumprimento do dever de estado, individual, familiar e social, fonte de saúde e progresso do Brasil, tornando-se fértil na santidade, próspero na economia, justo na participação das riquezas, alegre no serviço público, equânime no poder e fraterno no desenvolvimento, E, para confirmar-lhes nestes bons propósitos, envio uma propiciadora Bênção Apostólica”.
Tradução
Maria Emília Marega
Fonte: Zenit

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Diferença Entre Nínive e Solânea

Nínive era a capital do Império Babilônico.
Conforme o livro de Jonas era uma cidade grande, a ponto de precisar de três dias para ser atravessada(Jn 3,3).
Deus enviou o profeta Jonas a Ninive para anunciar que a cidade seria destruída por conta do pecado (Jn 1, 2; 3,2). No primeiro dia de anúncio, a cidade inteira fez penitencia e se converteu, desde o rei até os súditos, inclusive os animais jejuaram(Jn 3, 5-9).
Solânea faz o contrário. No último domingo o padre mal conseguiu celebrar a missa, devido o barulho do carnaval de Solanea e, anunciou que na terça só teria missa se houvesse respeito e silencio durante o horário da missa - o que se viu? Mais barulho do que antes. Com bandas contratadas tocando na praça (em frente a matriz).
Não dá para disputar com o barulho. A missa foi cancelada.
O rei de Nínive convoca todos ao arrependimento. Os governantes de Solanea convocam todos para a promiscuidade e o pecado, ao promover tal festa e não respeitar o direito dos católicos poderem celebrar em paz.
A promiscuidade era tão grande que durante a semana passada, em vez de ter gente atendendo na secretaria da saúde, o que se encontrava era muitos preservativos no balcão. Durante as festas, muito foi o incentivo a promiscuidade. Quantos adultérios e pessoas sendo usadas por outras como se fossem objetos.
O carnaval de Solanea foi além dos dias de carnaval, pois entrou na Quarta-feira de cinzas.
"Pão e circo" dizia o provérbio antigo, fazendo alusão aos governantes que, para camuflar a mal administração, ofereciam alimento e diversão para agradar os cidadãos e deixá-los quietos sem questionar.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Matriz ficou sem missa hoje

Por conta do carnaval da cidade de Solânea e o muito barulho na praça da cidade - em frente a Matriz - a missa desta terça-feira(21 de fevereiro) foi cancelada.
Todas as terça-feira é celebrada a santa missa às 19h30min, mas vimos por bem não celebrar do que celebrar e ficar disputando com o barulho.
Domingo passado foi difícil celebrar a noite por conta de tanto barulho. Nem a missa se respeita mais.
Na antiguidade se dizia: Pão e circo. Ou seja, alimento e festa para o povo se entreter, gostar, e não cobrar nada dos representantes políticos.
Como que as autoridades que promovem tais festas desejam as bençãos de Deus para a cidade se eles mesmos contribuem para que Deus fique em segundo plano?
Cadê a liberdade de poder participar do culto religioso?

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Quaresma: origem e atualidade

No século II com base nas palavras de Jesus a respeito do tempo em que seus discípulos jejuariam, porque o esposo lhe seria tirado (Mt 9,15; Mc 2, 10; Lc 5,34s), os cristãos passaram a fazer jejum no dia que celebravam a paixão e morte de Jesus e, no dia seguinte, sábado, em que o Senhor jaz no sepulcro, quebravam o jejum com a celebração da Eucaristia na Vigília da Páscoa onde comemoram o Ressuscitado no seu meio.
No século III este jejum foi estendido para três dias e no século IV para toda a Igreja, por um período de quarenta dias chamado quadragésima, a quaresma. Era um jejum de purificação em vista da celebração da Páscoa de Cristo e também visando imitar o próprio Cristo que jejuou durante quarenta dias no deserto, depois do seu batismo no Jordão (Mt 4,2; Lc 4,1).
Originalmente a quadragésima (quaresma) começava no sexto domingo antes das Páscoas e se estendia até a Quinta-feira Santa, quando tinha lugar a solene readmissão dos penitentes no seio da comunidade, em Roma. Como não se jejuava aos domingos, procurou-se, no século IV, elevar a quarenta o número dos verdadeiros dias de jejum. Primeiramente separou-se a Sexta-feira Santa e o Sábado Santo do Tríduo Pascal, chegando-se, assim, ao número trinta e seis. Incluíram-se os quatro dias feriais anteriores ao primeiro domingo da Quaresma, chegando-se, assim, à atual Quarta-feira de Cinzas como início da Quaresma.[1]
Além destes quarenta dias de Jejum, os cristãos observavam que o Senhor nunca tinha separado em seu ensinamento o jejum da esmola e da oração (Mt 6,1-18). Por este motivo, a Quaresma também passou a ser intensificada com a oração e a esmola.  Impôs-se, posteriormente, o apelo de Jesus dirigido aos seus contemporâneos: “Cumpriu-se o tempo e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15).
Deste modo, o período de quarenta dias em preparação à Páscoa também foi logo interpretado como dias apropriados à conversão e a última preparação dos catecúmenos ao Batismo na noite Santa. Uma vez que Deus tinha reconciliado os homens consigo pela morte e ressurreição de Seu Filho, a noite pascal parecia também se impôs como momento para se admitir à comunhão os pecadores que tinham realizado um tempo de penitência, e que durante a Quaresma se preparam para esta reconciliação.
Atualmente permanece o convite à conversão proclamado no primeiro dia da Quaresma, que é a Quarta-feira de Cinzas, o jejum[2] obrigatório apenas na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira da Paixão, e a esmola e a oração em todos os dias da Quaresma. Também continua proposto para este tempo a última etapa de preparação dos catecúmenos para o mergulho nas águas batismais no Sábado Santo.


[1] Cf. Adam, Adolf. O ano litúrgico: sua história e seu significado segundo a renovação litúrgica. São Paulo: Paulinas, 1982, p. 93.
[2] Jejum não compreendido como a privação de alimentos, mas como renúncia as coisas de menor importância em vista de algo maior.

Parte da síntese teológica de José Carlos, crl
Unisal - 2009

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Campanha da Fraternidade 2012 - 49 anos

Está chegando a Quaresma e é justamente na Quarta-Feira de Cinzas, que acontece um dos principais eventos da Igreja Católica no Brasil, o lançamento da Campanha da Fraternidade. A CF, como é conhecida, está na sua 49ª edição, é realizada todos os anos e seu principal objetivo é despertar a solidariedade das pessoas em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos e apontando soluções. Neste ano de 2012 a Campanha da Fraternidade destaca a saúde pública e suas variantes. Com o tema “Fraternidade e Saúde Pública”, e o lema “Que a saúde se difunda sobre a terra” (cf. Eclo 38,8); a CF de 2012 tentará refletir o cenário da saúde no Brasil.
A CF é reconhecida internacionalmente. Mas você sabe quando ela começou? Quem foram os seus criadores? A primeira Campanha da Fraternidade foi idealizada no dia 26 de dezembro de 1963, sob influencia do espírito do Concílio Vaticano II.
Antes disso, o primeiro movimento regional, que foi uma espécie de embrião para a criação do atual modelo da “Campanha da Fraternidade”, foi realizado em Natal (RN), no dia 8 de abril de 1962, por iniciativa do então Administrador Apostólico da Natal, dom Eugênio de Araújo Sales, de seu irmão, à época padre, Heitor de Araújo Sales e de Otto Santana, também padre. Esta campanha tinha como objetivo fazer “uma coleta em favor das obras sociais e apostólicas da arquidiocese, aos moldes de campanhas promovidas pela instituição alemã Misereor”.
 A comunidade de Timbó, no Município de Nísia Floresta (RN), foi o lugar onde a campanha ocorreu pela primeira vez.
Dom Eugenio Sales numa reunião do clero lançou a ideia. Foi feita uma lista e nomes, no fim venceu o nome "Campanha da Fraternidade". 
“Não vai lhe ser pedida uma esmola, mas uma coisa que lhe custe. Não se aceitará uma contribuição como favor, mas se espera uma característica do cumprimento do dever, um dever elementar do cristão. Aqui está lançada a Campanha em favor da grande coleta do dia 8 de abril, primeiro domingo da Paixão”, disse dom Eugênio Sales, no ato de lançamento da campanha, em Timbó (RN).
A experiência foi adotada, logo em 1963, por 19 dioceses do Regional Nordeste 2 da CNBB (Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte). Na Quaresma de 1964 foi realizada a primeira Campanha em âmbito nacional. Desde então, até os dias atuais, a CF é realizada em todos os recantos do Brasil.
 A CF contribuiu na superação da dicotomia ‘Fé e Vida’, que, imbuída do espírito Quaresmal quer modificar a situação do fiel, em prol da vida e da justiça”, explicou o atual secretário executivo da Campanha da Fraternidade da CNBB, padre Luiz Carlos Dias.
Em 1970, a Campanha ganhou um especial e significativo apoio, uma mensagem do papa Paulo VI para o dia do lançamento da Campanha, o que virou uma tradição entre os papas.
A partir de uma análise dos temas abordados a cada ano, a história da Campanha da Fraternidade pode ser dividida em três fases distintas: de 1964 a 1972, os temas refletem um olhar voltado para a renovação interna da Igreja, provavelmente sob o influxo das reformas propostas pelo Concílio Vaticano II; de 1973 a 1984, aparece na Campanha a preocupação da Igreja com a realidade social do povo brasileiro, refletindo influências do Vaticano II e das Conferências Episcopais de Medelín e Puebla, sem deixar de lado a questão política nacional, que vivia uma de suas mais terríveis fases: a ditadura militar. A terceira fase, a partir de 1985, reflete situações existenciais dos brasileiros.
Ao longo da história, as Campanhas abordaram questões do compromisso cristão na sociedade. Em alguns casos, as essas questões discutidas geraram o surgimento de Pastorais ou serviços no seio da Igreja. Foram levantados e debatidos temas como, em 1985, a questão da fome; em 1986, o problema fundiário; em 1987, o tratamento do poder público para com o menor. Em 1988, a campanha apelou por uma adesão a Jesus Cristo; em 1989, conclamou o povo a assumir uma postura crítica frente aos meios de comunicação social; em 1990, abordou a questão do gênero, chamando a atenção para a igualdade do homem e da mulher, diante de Deus; em 1999, chamou a sociedade e o poder público para discutir o problema do desemprego; em 2000, convidou as igrejas cristãs e a sociedade a lutarem pela promoção de vida digna para todos. Em 2001, levantou o problema das drogas e as consequências na vida das pessoas; em 2008, propôs o debate sobre a defesa da vida; em 2011, falou sobre a vida no planeta.
Neste ano de 2012, a saúde pública será o foco das discussões. De acordo com o arcebispo de Ribeirão Preto, dom Joviano de Lima Junior, a saúde é “dom de Deus” e, enquanto tal é um direito que além de ser preservado, precisa ser conquistado. “Além disso, pensemos na importância da alimentação e da preservação do ambiente. Porém, não podemos nos esquecer das estruturas insuficientes dos hospitais e dos postos de saúde”, disse. (RE)

Conferir: CNBB

Divórcio e Filhos

Novo estudo confirma a gravidade do trauma Divórcio e filhos: novo estudo confirma a gravidade do trauma
Separação enfraquece todas as principais instituições da sociedade 
ROMA, terça-feira, 14 de fevereiro de 2012 (ZENIT.org) - Nos Estados Unidos, mais de um milhão de crianças por ano são vítimas inocentes do divórcio dos pais. O divórcio machuca os pais, mas são as crianças as que mais sofrem, conforme demonstrado por pesquisas recentes.
O estudo Efeitos do Divórcio sobre as Crianças, de Patrick F. Fagan e Aaron Churchill, foi publicado em janeiro pelo Marriage and Religion Research Institute (Instituto de Pesquisas sobre Casamento e Religião).
Baseando-se numa vasta gama de pesquisas já publicadas sobre os efeitos do divórcio, o relatório analisa uma série de áreas em que o dano é evidente para as crianças. A primeira área é a da relação entre pais e filhos. Como esperado, o divórcio tem efeito negativo sobre a capacidade dos pais de interagir com os filhos.
Um estudo descobriu que o estresse causado pelo divórcio prejudica a relação entre mãe e filhos no caso de 40% das mães divorciadas. O dano é mais pronunciado quando as crianças estão na escola e na faculdade.
Em termos práticos, isto significa que, após o divórcio, as crianças recebem menos apoio emocional, assistência financeira e ajuda dos pais. Há também uma diminuição no estímulo acadêmico, na auto-estima, na afetividade e no incentivo à maturidade social. Menos momentos de lazer e mais castigos físicos são outra consequência da separação dos pais para as crianças.
O estudo revela que a maioria (cerca de 90%) das crianças permanece com a mãe depois do divórcio. Isto dificulta que o pai mantenha laços estreitos com os filhos. O estudo mostra que quase a metade das crianças disseram que não tinham visto o próprio pai durante o último ano.
Outro aspecto analisado pelo estudo de Fagan e Churchill é o efeito do divórcio na prática religiosa das crianças. "Depois do divórcio, eles ficam mais propensos a parar de praticar a fé". O declínio na prática religiosa impede as crianças de conhecerem e internalizarem os efeitos benéficos da educação religiosa: a estabilidade do casamento, a educação, a capacidade de produzir renda, a saúde física e mental.
Uma parte do estudo examinou como o divórcio afeta as atividades educativas. No ensino fundamental, por exemplo, houve um declínio imediato no desempenho escolar. No ensino secundário, filhos de famílias sólidas têm resultados significativamente melhores do que os colegas cujos pais se divorciaram. Aos 13 anos, por exemplo, há uma diferença de meio ano em habilidades de leitura entre os filhos de pais divorciados e os filhos de famílias estáveis.
Outra pesquisa revela que os filhos de casais divorciados são 26% mais propensos a abandonar o ensino médio do que as crianças criadas em famílias estáveis. Mesmo que um pai divorciado volte a casar, este novo casamento não reduz o impacto inicial negativo do divórcio sobre o desempenho escolar das crianças.
O impacto negativo do divórcio se estende à universidade. Uma pesquisa citada por Fagan e Churchill indica que apenas 33% dos estudantes de famílias divorciadas conseguem o diploma, em comparação com 40% dos seus colegas de famílias estáveis.
Dado o impacto que o divórcio tem na educação das crianças, as pessoas que sofrem esse trauma têm renda e patrimônio mais baixos do que a média, além de uma chance maior de enfrentar dificuldades financeiras.
O estudo aponta que o divórcio tem um custo econômico não só para as famílias, mas também para o governo e para a sociedade. As estatísticas mostram que filhos de famílias divorciadas são mais propensos a se envolverem em comportamentos delinquentes, brigas, roubos e abuso de álcool e drogas.
Além disso, "o divórcio perturba a estabilidade psicológica de muitas crianças", prossegue o texto. O estudo em questão cita um levantamento feito com alunos de sétima e oitava séries, que revelou que o divórcio dos pais foi o terceiro fator mais estressante em uma lista de 125 eventos. Somente a morte de um dos pais ou de um parente próximo é mais estressante do que o divórcio.
Devemos acrescentar que o impacto psicológico não é passageiro. Mesmo adultos, aqueles que sofreram o divórcio quando crianças experimentam um número maior de problemas emocionais e psicológicos do que aqueles que vêm de uma família estável.
Entre as consequências do divórcio conta-se também um número crescente de abuso e negligência de menores. Um estudo realizado no Brasil mostrou que crianças que vivem em famílias com presença de padrastos são 2,7 vezes mais sujeitas a abusos do que as crianças que vivem em famílias estáveis formadas pelos próprios pais.
A parte final do estudo explica que, ao contrário dos pais divorciados, que muitas vezes conseguem encontrar alívio após a separação, o sofrimento das crianças continua durante muito tempo depois do divórcio. Os efeitos negativos podem durar até três décadas.
Para Fagan e Churchill, "o divórcio tem efeitos que prejudicam as crianças e todas as cinco grandes instituições da sociedade: a família, a igreja, a escola, o mercado e o próprio governo".
Com o alto número de divórcios que se verificam hoje, as consequências debilitantes continuarão se manifestando nos próximos anos. Não é um pensamento reconfortante, considerando a tendência cultural que critica a família natural e procura redefinir o matrimônio.
Pe. John Flynn, LC

Fonte: Zenit

Com o divórcio dos pais, as crianças muitas vezes se sentem irritadadas, estressadas e confusas sobre como será sua vida futura.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Mudanças

Na manhã de hoje (15.02.2012) o bispo D. Lucena aceitou a renúncia de Pe. Fábio como Coordenador Diocesano da Juventude. Pe. Fábio vai auxiliar na Catequese um outro padre.
Sucederá Pe. Fábio no setor juventude o Pe. Roberivaldo da cidade de Dona Inês.
Pe. Roberivaldo
Novas mudanças serão conhecidas no final de fevereiro.