quarta-feira, 26 de junho de 2013

O ÓBOLO DE SÃO PEDRO


 Por ocasião das festas dos Apóstolos Pedro e Paulo, 29 e 30 de junho, a Igreja Católica faz uma coleta nas missas celebrada nesses dias para manutenção da Sé Apostólica e das obras assistências pelo mundo afora.
O papa doou às obras das Cáritas Brasil, as coletas feitas no Brasil nos últimos anos, ou seja, o valor ficou aqui mesmo para ajudar os mais necessitados.

Neste fim de semana faça sua doação nas missas e ajudemos o Santo Padre a ajudar!
 A tua ajuda, por pequena que seja, é importante.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

EXERCÍCIO PARA O DIA A DIA DAS EQUIPES DE LITURGIA

Cantar: profissão sonora da fé (Sto. Agostinho)
            A palavra convence, mas é a beleza que atrai! Quando limitamos ou privilegiamos a palavra perdemos a capacidade de conduzir as pessoas ao mistério! A liturgia deve expressar a beleza e é a beleza que cativa e atrai a comunidade. A Palavra revela, mas é a beleza que desvela. Ela é um raio de luz que toca o coração e nos permite vivenciar a eternidade.
           A liturgia deve ser um Oasis (lugar, espaço) de intimidade, de oração e silencio. Cantar não é como encomendar uma peça de automóvel. Para além de sua funcionalidade, o canto deve exprimir o mistério, para que a comunidade possa celebrá-lo. O sagrado tem que entrar na vida. É o sagrado que nos educa. Não é e nunca será o homem, com seus interesses e forças que faz acontecer o mistério.       
            Caríssimos, encontra-se espaço para o silencio em nossa liturgia? Muitos associam o silencio à solidão, à tristeza, a uma fuga do mundo. Mas para nós, o silêncio é fonte de encontro. O silencio é oração. Quando se faz silêncio, abre-se espaço para Deus falar. Quando você se encaminha para o essencial, você deixa Deus entrar. Se você começa a encher a vida de penduricalhos, de coisinhas aqui e ali, não sobra espaço para Deus.
          A busca de Deus começa na forma como vocês cantam. No inicio tudo parece uma seca, não acontece nada. Mas se vocês insistem, passam a perceber uma nova realidade, onde tudo se ordena para Deus e quando estamos com Ele, exprimimos com delicadeza de coração a sua grandeza. Não devemos nos preocupar em dar resposta a todas as coisas, ou fazer o que o povo gosta, mas em cativar o ser humano, para que cada um busque compreender o significado das coisas. 
           O Canto tende a promover a participação pessoal e comunitária. A música esta intimamente ligada à liturgia, dela depende e a ela serve. A música deve ser "um sinal sagrado", verdadeiro sacramento da ação de Cristo na celebração. Música santa para uma liturgia santa, expressando mais suavemente a oração, favorecendo a unidade das vozes e corações, e enriquecendo de maior solenidade os ritos sagrados. Portanto, a música não é autônoma, independente. Em meu canto ecôo a voz de Deus? Por meio da minha voz ou meu instrumento, a comunidade sente-se motivada a elogiar o Autor que age em mim? Será que eu estou colocando Jesus Eucarístico a minha frente?
           Algumas coisas que nunca podem ser esquecidas: enquanto alguns "acolhem" os irmãos que estão chegando para a festa da Eucaristia, o ministro de música pode preencher o ambiente com um solo instrumental. Alguns neste momento costumam ensaiar as canções que farão parte da celebração. Como vocês qualificam esse ensaio? Como a comunidade se prepara para celebrar? O que vocês destacam que seria a melhor ação a realizar-se neste momento. Tocar a missa, cantá-la, requer primeiro de tudo, espiritualidade e entrega.
          Confesso que as vezes me assusta a escolha de alguns cantos. Parece-me que ele diz tudo para o cantor e nada para a comunidade. Porque somente ele canta, e a assembléia não está lá para ouvir o canto, mas para cantar e expressar a sua oração e sua comunhão com Deus e com os irmãos.
            O que vocês sentem que deveríamos privilegiar? Qual a necessidade maior? Qual é a identidade de nosso povo? Seu jeito de ser, sua cultura? qual os cantos que se adaptam a nossa realidade e liturgicamente são corretos e conhecidos pela comunidade? Inovar é preciso, mas para onde vamos direcionar nossos cantos? Como você qualifica e vê a sua disposição na celebração? Vocês celebram, vivem essa intimidade com Jesus, cantam para celebrar?     
             A Igreja exige de nós fidelidade a Igreja de Cristo, poderíamos pensar uma pastoral musical mensal e não por final de semana? A Assembleia tem primazia nas vossas escolhas, assim como a realidade, o fato celebrado?
              Reflitamos: existe uma espiritualidade e uma vivencia litúrgica musical! Quais as necessidades mais urgentes? Como a musica expressa a beleza, o amor, a comunhão, a entrega... Ela está atingindo o coração, proporcionando motivação para participar ativamente da santa missa? Ao soar dos primeiros acordes e ao canto da primeira nota, sentimos mais profundamente a presença de Deus? a letra tem a primazia, a musica está a seu serviço?
            A celebração não é um momento para fazer um show, para apresentação de qualidades e aptidões. Os cantores e instrumentistas devem, antes de tudo, mergulhar no mistério, ouvir e acolher com a devida atenção a Palavra de Deus e participar intensamente de todos os momentos da celebração.

Em Cristo
Pe. Olmiro, CRL

As fontes estão espalhadas nos manuais de liturgia do Borobio, documentos do magistério e nas reflexões do papa Bento XVI

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Leitura Orante da Bíblia : A Palavra de Deus ilumina nossa vida e nossa ação pastoral

Passos da Leitura Orante da Bíblia
Disposição pessoal:  
Lembre-se que é muito importante criar um ambiente
adequado que favoreça o recolhimento e a escuta da
Palavra de Deus.

1. Invocação ao Espírito Santo
Peça o auxílio do Espírito Santo para acolher a Palavra.
Você não vai estudar a Palavra, vai escutar o que Deus tem
a lhe dizer. 
Repita várias vezes: 
- Envia, Senhor, o teu Espírito.
2. Leitura - O que a Palavra diz em si
- Objetivo: conhecer bem o texto
- Ler devagar e sem pressa
- Sublinhar o que achar importante
- Ler os comentários presentes na Bíblia
- Transcrever algumas frases ou palavras, se achar útil
- Algumas perguntas podem ajudar: Quais são as
personagens? Onde decorre a ação? Quando acontece? O
que fazem as personagens?

3. Meditação  - O que a Palavra diz hoje a mim.
Reler o texto na primeira pessoa, colocando-se na pele da
personagem. 
Encontrar a afirmação central, a mensagem principal.
Depois, Repetir e Memorizar a mensagem.
Confrontar a sua vida atual com a Palavra escutada:
a.Sua vida com Deus
b.Sua vida com os outros
c.Sua vida com a natureza
d.Sua vida consigo mesmo

4.Oração  - O que a Palavra me faz dizer.
Responder  à Palavra escutada através da oração. 
Fazer isto em 3 etapas:
1. Pedindo perdão pela Palavra não vivida
2. Agradecendo e louvando pelas maravilhas que Deus
operou e opera em sua vida
3. Fazendo seus pedidos a Deus, de modo especial,
pedindo o dom do Espírito Santo.

5. Contemplação  - A Palavra me leva à intimidade, ao
Coração de Deus.
Sinta a presença de Deus. Não é tempo de palavras, mas
apenas de silêncio. Permita que Deus fale no silêncio, lugar
privilegiado de Sua presença.

6. Missão e Ação - A Palavra me leva aos outros, ao
compromisso com a vontade de Deus
A Palavra não nos pode deixar indiferentes. Depois de
escutar o que Deus tem a dizer, é tempo de descer da
montanha e ir ao encontro dos irmãos e irmãs e de se
colocar em ação/missão.


sábado, 15 de junho de 2013

DIGA A ESSA GERAÇÃO QUE AVANCE (EX 14,15)

           Olá galera jovem! “Dizem que o sol deixou de brilhar. Que as flores mais belas não perfumam mais. Os jovens teriam deixado de amar, de crer na esperança de poder mudar. Que as lutas e os sonhos o vento espalhou, e que envelheceram as forças do amor. Se fosse assim que digam vocês de quem é o rosto que ainda sorri. De quem é o grito que nos faz tremer defendendo a vida, o modo de ser. De quem são os passos marcados no chão, unindo o compasso de um só coração.
          Esses versos nos inspiram a perceber a riqueza e a complexidade do ser jovem. A juventude é a fase do ciclo da vida em que se concentram os maiores problemas e desafios, mas é, ao mesmo tempo, a fase de maior energia, criatividade, generosidade e potencial para a renovação da sociedade e da Igreja. Ela é de fundamental importância para qualquer país, para qualquer organização. Não que a juventude tenha grandes experiências, mas é o grupo que renova, que questiona. É a juventude que capta as mudanças que estão acontecendo na cultura, na sociedade com mais facilidade. Qualquer país que não invista na juventude, não tem futuro. Não há futuro para a Igreja, se também não investir na juventude. Se quisermos dar resposta a novos tempos, novas épocas, a juventude é futuro.
         Vemos hoje em dia uma juventude muito sofrida, mais do que em qualquer outra época. As famílias estão cada vez mais complicadas. Encontramos nas periferias das cidades uma juventude com muitas cicatrizes emocionais, uma juventude muito controlada pela mídia. Toda a questão da sociedade de consumo, uma juventude diferente do que outras épocas. Por exemplo, tivemos nos anos 60 e 80 uma juventude revolucionária, com vontade de construir uma sociedade nova, lutando por justiça, pelos oprimidos.
          Hoje em dia você tem uma juventude mais voltada para os seus problemas pessoais. Que freqüentemente não tem sonhos, que vive muito o presente, quer ter sensações fortes, onde o importante são os sentimentos.  Ainda, como bem nos lembrou Bento XI, uma juventude marcada pelo ‘medo de sobrar’, por causa do desemprego, o ‘medo de morrer precocemente’, por causa da violência e o ‘medo de estar desconectado’.

      Mas, ao mesmo tempo, a juventude tem uma característica que a diferencia dos adultos, por exemplo, a juventude muda com muita facilidade. Então, com uma boa metodologia conseguiremos penetrar a casca do individualismo que está tão forte hoje em dia, e despertar a chama de idealismo que está dentro de todo o jovem. O desafio nosso é devolver aos jovens a esperança, ajudá-los a sonhar de novo. “Diga a essa geração que avance” (Ex 14,15).

quinta-feira, 6 de junho de 2013

SEXTO DIA DA TREZENA DE SANTO ANTÔNIO

TEMA: Santo Antônio, leva-nos a amar o Cristo Eucarístico
19:30 - Santa Missa
Presidente da Celebração: Pe. João Batista
Liturgia e animação: Comunidade Santa Mônica
Após a Missa haverá quermesse

quarta-feira, 5 de junho de 2013

QUINTO DIA DA TREZENA DE SANTO ANTÔNIO

5° DIA DA FESTA
TEMA: Santo Antônio, filho fiel de São Francisco
05:00 Ofício das Laudes
19:30 Santa Missa 
Presidente da celebração: Pe. José Florem (Solânea)
Liturgia e Animação: ECC